melância

[qui] 5 de janeiro de 2017

ir “e voltar, não era mais o mesmo, mas estava em seu lugar…”, com uma pequena adaptação… vamos aos rabiscos.

eu preciso voltar dois dias no tempo e registrar alguns sentimentos.

#1 meu velho precisava de ajuda num de seus trampos, porque meu irmão, o seu ajudante, está trampando direto neste temporada, e eu como eu ando a não fazer nada por estes dias de férias… ele pediu, e eu aceitei, fui ajudá-lo. mas está ai algo que eu preciso trabalhar melhor… servir de ajudante de obra não é e nem deveria ser demérito, mas essa situação me joga 25-20 anos atrás, era garoto, 10-15 anos, e ajudando o velho… engraçado, como em algumas horas, se você não estiver atento acabas enlaçado por sentimentos que estão, ali, no sotão, bem guardados há 20 anos. as contradições do velho/e parte de minha revolta/ como ele era extremamente rígido, psicologicamente abusivo muitas vezes comigo, com meu irmão, com minha mãe… mas ali, na situação de operário-patrão ele se coloca um posição tão dócil, tão submissa… e quando eu era garoto, isto me causava uma revolta maior ainda… não só a de sofrer a agressão, de forma desmedida, mas de vê-lo naquele situação de submissão. era um misto de vergonha e raiva. desde 2012, depois de fazer terapia, estabeleci para mim mesmo que nunca mais iria trabalhar pra ele, posso sim, se ele precisar em algum momento, ir no auxilio dele, retribuir a ajuda cotidiana que recebo dele. mas não como subalterno, para não reviver essas emoções. mas engraçado, mesmo querendo não ir, nesse dia fui, três horas de auxilio, coisas básica, porque as vezes é dificil dizer não, e até foi tudo tranquilo… era uma obra na casa da mãe de uma ex-aluna minha, e isso me incomodou um pouco… e fiquei refletindo sobre isto neste ultimos dias… porque me incomodou? será porque parte de mim tenta desesperadamente fugir dessa situação de garoto, de submissão ao velho, dessa situação de vergonha e raiva? a profissão que tenho hoje – que mal me sustenta, e que tenho mil duvidas se é a mais acertada pra mim, é um fuga dessa realidade… é a racionalidade… o estudo, a liberdade, a não submissão, o status. e estar lá, naquele dia, foi como ser pego de calças curtas… racionalmente estava tudo tranquilo, mas emocionalmente, de um instante pra o outro fui lançado 20 anos no tempo, e me sentido novamente como aquele garoto, e odiei a sensação, meu orgulho doia… sei que não é algo que tenho que lidar com os outros ou com meu pai… é algo que tenho que lidar comigo, aquele garoto continua ali.

#a primeira reação foi, como dizer não. e eu não consegui dizer não. apenas fiquei dormindo, o máximo que pude.

#depois de dois dia inteiros sem conseguir racionalizar tudo… um dormindo e outro me mexendo… veio esse insight, como um motor… preciso sair desse lugar que me meti. chega desse auto-exílio, dessa espera por nada, desse sumir para lugar nenhum, dessa solidão crônica, dessa falta de relações afetivas além do emprego-família…

wake up dead man… é preciso se apaixonar rapaz. por vc mesmo, gostar um bocado mais de ti e dos teus sonhos… acreditar… se encantar, e daí é um pulo quase imperceptível… que é encantar o mundo. porque nestes últimos 7 anos, tenho tido apenas soluços, espasmódicos e imprevisíveis, de encantamento. são soluços tão efêmeros. oscilo entre uma apatia crônica quase constante, alguns raros lampejos de criatividade e paixão pelas coisas, mas seguidos por momentos agudos de frustação e desejos de morte, como disse o poeta… chega de sofrer de antemão.

Vou chorar sem medo. Vou lembrar do tempo. De onde eu via o mundo azul.

coisas imediatas pra serem feitas:

semana #01 (1-7/01)- faxina na casa, pintar o que falta, organizar os cômodos.

semana #02 (8-14/01) – resolver questões de saúde – médico, dentista, e um tênis para caminhar.

semana #03 (15-21/01) – desenvolver um projeto de estudos para o ano. (com caminhadas, terapia, e muito estudo)

***

e das aleatoriedades dos dia… uma listinha do que já fiz na vida, para marcar o começo do ano, para não esquecer do que já fiz… e do que devo/quero/preciso fazer:

Morar sozinho

Comprar carro
Comprar moto
Casar
Se apaixonar
Ver alguém nascer
Ver alguém morrer
Visitar o Nordeste
Conhecer o Sudeste
Conhecer Paris (ou Montevidéu ou Buenos Aires)
Conhecer Londres (Ou qualquer outra cidade fora do Brasil)
Aparecer na TV
Aparecer em um filme
Se apresentar numa peça de teatro
Fazer uma faculdade
Dançar na chuva
Tocar violão
Cantar no karaokê
Ver neve caindo
Chorar de tanto rir
Andar em uma ambulância
Chorar de soluçar até as lágrimas secarem
Realizar um sonho
Tomar um porre
Ter um filho
Plantar uma árvore
Escrever um livro
Ter um animal doméstico
Curtir a praia olhando o pôr do sol
Ver o sol nascer sentado na areia
Nadar sem roupa
Andar de moto
Saltar de bungee jump
Assistir um filme em um drive-in
Andar a camelo
Andar a cavalo
Aparecer no jornal
Aparecer em revistas
Fazer uma cirurgia
Ficar internado
Achar que ia morrer
Sofrer algum acidente
Andar de helicóptero/saltar de paraquedas
Doar sangue
Ir ao cinema sozinho
Por um piercing 
Fazer uma tatuagem
Dirigir um carro automático
Viajar sozinho
Ficar na parte de trás do carro de polícia
Ganhar multa por excesso de velocidade️
Ter um osso quebrado
Ter pontos em algum lugar do corpo
Mudar de cidade
Ganhar na mega sena
Ganhar um prêmio em um bingo
Virar noite acordado

E a sua cidadão de agora?

***

ps: e o título da bagaça é porque eu gosto de melância e estou comendo uma deliciosa fatia agora, as 4h da manhã.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: