exercício sobre o desejo da palavra

[ter] 11 de outubro de 2016

Sou a porra de um viciado…

viciado em dor.

dê tempos em tempos

me pego olhando algumas fotos dela,

relembrando aquele amor tão curto

vivido… anos atrás.

sou um cara esperto,

pra sacar que eu não sou nada esperto

esperto porra nenhuma,

e que estou um bocado perdido

nesta loucura toda que é a minha vida.

cara sério, bom moço, aparentemente normal,

não cumpro quase nenhum requisito,

um desajustado sob a casca

do um tudo bem, ‘tá tudo certo…

não há nada certo, e tudo é um tanto injusto.

e sabe esses artigos de auto-ajuda

dizendo pra voce ficar longe dessas pessoas

vampirescas, sugadoras de nossas energias…

e dia sim, dia não, eu me pergunto:

como ficar longe desta

parte significativa de mim,

que nesses dias tristes e ansiosos,

me envolve por inteiro,

o evapora toda minha energia vital.

***

talvez seja por ai,

eu ficar longe de todo mundo,

sou a porra de um cara viciado em dor,

um zé mané narcisista,

e tímido ao extremo,

inconstante, suicida em potencial…

***

eu ando triste por estes dias,

e tudo sem motivo aparente…

ontem, apenas foi quase impossível sair da cama,

cheguei a inventar uma dúzia de desculpas

para faltar ao unico compromisso do dia…

meu trabalho.

mas

quase todas as segundas são assim,

dificeis de levantar…

***

e agora mudando de assunto: estou pensando em fazer vestibular… letras? o fetiche de fazer letras… todas as minhas segundas opções, nos cinco vestibulares que prestei…

ou serviço social? reaproximar-me da teoria… e num novo local de atuação… me parece ser mais palpável e sensata essa opção.

mas porra… eu não sou sensato…

***

exercício sobre o desejo da palavra

e o poema não brota de minha boca. / ele não tem som. / ele não traduz nada. / tão pouco decifra o indizível. / ele apenas não está ali. / não há raiz. //  só o que resta é essa ansia de recebe-lo. / de tê-lo por perto, / e não importa se a curto tempo, / de passagem, estrangeiro,  / como os olhos desconhecidos / que se esbarram / num infinito atômo de tempo… / e mergulham-se, insanos e negros, / quanticamente ao nada. // esse poema que não está… / e que nunca será, / e que um dia padeceu disto… / de estar e ir-se qual o vento / , as palavras, / o toque suave, / a saudade, / o pó, / o aroma quente… / o gosto esvaecido dos lábios da coisa amada. // é só isto, / esse resto de homem / sozinho pela rua… / trinta e poucos, / alguns pelos brancos, / um medo de amar…  / uma noite longa…  // já sinto saudades tuas, / ó poema que nunca vinha… / e agora já era.

[sobre os dois meses que fiquei procurando um poema… anotei até algumas coisas em folhas soltas… mas nada, não havia um mote. e eis que o mote surge… a dificuldade de escrever um poema… há uma duzia desses pelo blogue. esse exercício acima, fiz agora. e vai assim, cru]

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: