todavía

[ter] 10 de fevereiro de 2015

hoje.

Uma pausa do trabalho diário. Hoje, distante dos alunos… Com a cabeça submersa em ideias e planos. Amarrando as pontas soltas… Calculando os desdobramentos e imaginando avaliações. Lembrei de Deleuze – para cinco minutos de inspiração… horas e horas, dias… de preparação.

Foi um bom dia offline. Fiz almoço e almocei com Izabel. Luiza foi embora pela manhã. E os parte do planos do dia… Ir ao mercado, e seus desdobramentos, não se realizou. Farei compras em pleno sábado de carnaval – é o que anotei na lista de tarefas.

Agora retrocedo as anotações… Porque os dois últimos dias foram de uma intensidade tremenda. Pero, antes… para ti:

Todavía – Mario Benedetti

No lo creo todavía
estás llegando a mi lado
y la noche es un puñado
de estrellas y de alegría.

Palpo, gusto, escucho y veo
tu rostro, tu paso largo,
tus manos y sin embargo
todavía no lo creo.

Tu regreso tiene tanto
que ver contigo y conmigo
que por cábala lo digo
y por las dudas lo canto.

Nadie nunca te reemplaza
y las cosas más triviales
se vuelven fundamentales
porque estás llegando a casa.

Sin embargo todavía
dudo de esta buena suerte
porque el cielo de tenerte
me parece fantasía.

Pero venís y es seguro
y venís con tu mirada
y por eso tu llegada
hace mágico el futuro

y aunque no siempre he entendido
mis culpas y mis fracasos
en cambio sé que en tus brazos
el mundo tiene sentido

y si beso la osadía
y el misterio de tus labios
no habrá dudas ni resabios
te querré más
todavía.

**

dia 8/2.

«o sabor dos teus lábios ainda está em mim… teu olhar nos meus olhos eu não esqueci. teu sorriso iluminava o meu caminho e ao falar eu sentia todo o teu carinho… ».

ela é coloninha,
eu mais duro que uma pedra.
ela é livre…
eu sou algum tipo de hera.

ela é uma nau
em busca da felicidade…
eu sou um porto
quase sempre no mesmo posto.

ela sonha e age,
transforma-se em liberdade…
eu atravesso todos os sambas,
surdo
à
rítmica
marcação.

ela é poesia, revolução
eu,
um verbo, um fragmento.
ela é um samba de bloco cheia de ardor…
eu sou algo como uma quarta-feira de cinzas.

*
e desde a infância ela adora jambolão…
e eu, tão velho, ainda subo em árvores –
é dela este dom:
eu ainda tenho
um coração de criança.
e ela tem os dedos pequeninhos
assim como eu…
e quando entrelaça-os aos meus…
o mundo torna-se
um lugar bonito.
e ela,
só ela, com seu amor,
ilumina minha escuridão…
e tudo que eu era…
era meta, metade…
um ontem perdido na vastidão.
com ela… verso ao avesso
busco no fundo do peito
esse sentimento do mundo
essas mãos dadas,
aceito o que me é imperfeito,
e rumo, aceso por dentro,
nessa humana
e mágica jornada que somos:
eu e ela em construção.

pi

 

 

 

 

 

 

 

 

Exercícios em construção sobre eu e ela .

**

dia 9/2.

primeiro dia de aula. síntese: longo, intenso e exaustivo. positivo foi o reencontro. e os contras são: como é longe a escola, tão fora de mão… tantas horas de busão. e como ainda é verão… tudo é tão quente. que quase derreti, e antes de entrar em sala já estava encharcado. como já conheço a escola… o sentimento é diferente dos anos anteriores: no lugar da apreensão sobre as gentes e a casa… vou o sentimento bom de rever velhos amigos. e fora minhas mancadas, esquecer dos nomes e das não muito preparadas aulas… foi bom. e ainda bem que terça há um brecha para realinhar a direção e clarear o mapa de navegação.

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: