tânatos

[qua] 22 de janeiro de 2014

«Muito cedo, ele já aprendera o buraco que a linguagem deixa dentro de cada indivíduo.»

tempos atrás, a terapeuta sugeriu o filme ‘perfume, a história de um assassino’. eu já havia visto, e tentei ver novamente para ver se teria um lampejo sobre que raios ela me sugeriu este filme… vi partes, sou desorganizado… e neste ano lembrei do filme, e por acaso, hoje foi o dia de vê-lo. a frase acima e a análise sociológica de onde ela foi extraída são bem bacanas. e abaixo o poema de álvaro de campos – começo a conhecer-me. e concluindo estas poucas linhas, sinto que não há nada mais profundo em mim… e se há, não sei dizer. calo-me. fim.

«Começo a Conhecer-me. Não Existo

Começo a conhecer-me. Não existo. 
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram, 
ou metade desse intervalo, porque também há vida … 
Sou isso, enfim … 
Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulhos de chinelos no corredor. 
Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo. 
É um universo barato.

Álvaro de Campos, in ‘Poemas’
Heterônimo de Fernando Pessoa»

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: