avís per a navegants

[seg] 2 de setembro de 2013

enrola. enrola. enrola. enrola. enrola. enrola. enrola. enrola. espera. espera. espera. espera. espera. espera. esquece. esquece. esquece. esquece. esquece. esconde. esconde. esconde. esconde. esconde.

fiz um poema: tergiverso o trigo / apodreço o pão / que não será sovado / tampouco comido.

sigo adiando não sei o que para não sei quando e o tempo das coisas escapa e falta. tudo torna-se um transtorno, um desconforto, uma pressão, para mais dia menos dia eu começar a deixar  o tempo das coisas escapar e faltar e tudo tornar-se um transtorno, um desconforto, uma pressão, uma fuga postergadora.

chegaram os livros: faltou só aquela lá da poesia russa.

***

“um dia todos morrem, sozinhos”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: