Poesias

[qua] 8 de fevereiro de 2006

Os três baiacus; O poema; O fogo; Cores; No fim da frase; Mariposa; Distraindo.

…………………..

Os três baiacus

De três baiacus / fez-se dois e um / dois indo a lugar algum / um a lugar nenhum.

O poema

O POEMA BROTA

DO NADA

PARA O ALGO

QUE NÃO

SE SABE

AO CERTO

NO FIM

O QUE É

2004

O fogo

Se o fogo pega / se os olhos andam / as palavras dissipam

O corpo transposta / ao outro / corpo / fogo / olhos

Como os braços, / ininterruptamente / movem-se… / somem.

Lagoinha do leste, abril 2005

Cores

o branco titânio ausente
o vermelho chinês escorre
o verde vessiê flutua
o amarelo cádio morre

o branco titânio chega
o vermelho chinês sorri
o verde vessiê acorda
no amarelo cádio morri

Paisagem

Na margem deste rio,
que vem de ti, sentei-me
Paisagem

No fim da frase

O PONTO NO FIM DA FRASE
INDICA O COMEÇO (DESTE POEMA)

Danço escondido escrevo coisas sem sentido
canto um tanto quanto desafino e tímido
leio um pouco gosto de cores e superfícies

Bela é a chuva danço de improviso
e de grande agrado é o gosto de se gostar
ao acaso da tarde…

Mariposa

¡Quédome flotando cúando te miro!
Sín peso… Solo.
Mariposa…
2004

Distraindo

Outro dia sem noção
somente
poemamente distraído…
distraindo gente.

Uma resposta to “Poesias”


  1. […] o que brota na mente [lembrar de enlaçar com o poema sobre o brotar já feito e publicado aqui]. comecemos pelo acordar cedo, enfim, acordei cansado, e até cogitei, como plano inicial, ir ao […]

    Curtir


Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: