sonetoretrato

[qui] 11 de outubro de 2001

Este é teu retrato.
Quase imperceptível,
Absurdamente intimorato.
E intransponível.

Como as paredes do teu quarto.
De cor azul-tristeza.
Osga, bela, de coração farto
‘cheinha de delicadeza!

Este é teu retrato
Grande cromo-crato
E vulgar.

Feito neste soneto-poema
Aparentemente sem tema
E sem ar.

11 out. 2001

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: